logo da Quercus
Últimas notícias

.posts recentes

. DE VOLTA A PORTUGAL E ATÉ...

. MANDATO DE BALI - RESULTA...

. DE CEDÊNCIA EM CEDÊNCIA A...

. 5h00 Lisboa - A ssessão p...

. TRABALHOS INTERROMPIDOS E...

. NEGOCIAÇÕES PELA MADRUGAD...

. O MUNDO REQUER ACÇÃO

. CONFERÊNCIA DE BALI SEM A...

. AL GORE CRITICA EUA E APE...

. PORMENORES DE UMA CONFERÊ...

.Horas em Bali

Nusa Dua

.arquivos

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

Segunda-feira, 10 de Dezembro de 2007

LISBOA E PORTO ENTRE AS CIDADES COM MAIORES RISCOS DE CHEIAS

 

As duas principais cidades do país estão no grupo dos centros urbanos com mais potencial de cheias devido às alterações climáticas e à consequente subida do nível do mar.
 
Um relatório da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento na Europa) alerta para os impactos das Alterações Climáticas no desenvolvimento urbano. O estudo analisa a exposição de pessoas e bens ao risco de cheias em 136cidades portuárias do mundo inteiro.

Uma maior concentração da população, as alterações climáticas, o retorno cíclico de uma grande cheia por século é este conjunto de circunstâncias fará das cidades portuárias em todo o Mundo locais de grandes perdas de pessoas e bens.
 
A OCDE traçou os cenários previsíveis para 2070 entrando em linha de conta com algumas variáveis. Lisboa e Porto surgem nessa listagem de risco, onde se inclui mais uma dezena de cidades portuárias europeias, algumas delas ainda mais ameaçadas.

Com e sem alterações climáticas, com ou sem grandes alterações económicas assim foram traçados diversos cenários para avaliar o que poderá acontecer às 136 cidades/regiões portuárias que têm pelo menos um milhão de habitantes e acentuarão o seu crescimento populacional.
 
Lisboa e Porto entraram neste cálculo da OCDE mas apesar de não estarem entre os cenários mais dramáticos traçados para 2070, a sua evolução demográfica e económica tenderá a acentuar as consequências humanas e materiais de cheias.

Mesmo com o clima de agora, se for projectado o crescimento económico e da população para 2070, o cenário seria gravoso para as duas cidades. Lisboa teria ameaçadas 79 mil pessoas e o Porto 19 mil. Em qualquer das projecções, o relatório entra em linha de conta com a hipótese do retorno de uma cheia das que ocorrem pelo menos uma vez em cada cem anos.

Em termos mundiais, a Ásia concentra a potencialidade do maior número de vítimas, enquanto algumas cidades dos EUA e da Europa concentram a riqueza em risco. Quanto a protecções, Londres, Tóquio e Amsterdão são as mais bem equipadas, até para a recorrência de cheias num período de mil anos.

A Índia e a China são e serão as que mais prejuízos de toda a ordem podem sofrer. No mapa do futuro, o crescimento populacional pode também pôr em risco cidades como Luanda.


O PIOR CENÁRIO

Num dos cenários previstos, em que se conjuguem as mudanças climáticas e aumento da população, as vítimas na região de Lisboa podem ascender a 90 mil e no Porto a 22 mil. Os danos económicos na primeira destas cidades cifrar-se-ão em 20 mil milhões de Euros de perdas e na segunda em mais de seis mil milhões.
 
CONCLUSÂO
 
Retirar as populações e as instalações produtivas dos leitos de cheias é referido pela OCDE como condição para minimizar consequências económicas e humanas. O documento cita casos de cidades portuárias, como Londres, Amsterdão e Nova Iorque, para frisar que medidas defensivas não impedem totalmente os prejuízos. Mas a antevisão é necessária, por exemplo, as barreiras no Tamisa para defender Londres demoraram 30 anos entre a decisão e a operacionalidade, conclui o relatório da OCDE que pode ser consultado no site da organização.
tags: ,
publicado por bali às 00:04
link do post | comentar | favorito
|

.Dezembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds