logo da Quercus
Últimas notícias

.posts recentes

. DE VOLTA A PORTUGAL E ATÉ...

. MANDATO DE BALI - RESULTA...

. DE CEDÊNCIA EM CEDÊNCIA A...

. 5h00 Lisboa - A ssessão p...

. TRABALHOS INTERROMPIDOS E...

. NEGOCIAÇÕES PELA MADRUGAD...

. O MUNDO REQUER ACÇÃO

. CONFERÊNCIA DE BALI SEM A...

. AL GORE CRITICA EUA E APE...

. PORMENORES DE UMA CONFERÊ...

.Horas em Bali

Nusa Dua

.arquivos

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

Quarta-feira, 12 de Dezembro de 2007

DISCURSO DE PORTUGAL NO PLENÁRIO EM NOME DA UE

Francisco Ferreira (Quercus m Bali)

(discurso do Ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Desevolvimento Regional de Portugal, Francisco Nunes Correia,no segmento de alto nível em plenário às 15.50h, hora de Bali)

 
STATEMENT BY PORTUGAL ON BEHALF OF THE EUROPEAN COMMUNITY AND ITS MEMBER STATES
 
HIGH LEVEL SEGMENT
 
This position is supported by Albania, Bosnia and Herzegovina, Croatia, Former Yugoslav Republic of Macedonia, Montenegro, Serbia, Turkey and Ukraine
 
Mr. President, Portugal is speaking on behalf of the European Community and its Member States. This statement is supported by Albania, Bosnia and Herzegovina, Croatia, Former Yugoslav Republic of Macedonia, Montenegro, Serbia, Turkey and Ukraine.

 

Mr. President, the EU has stated the following countless times and will do so again now: Climate Change is upon us and it is high time to act.
We have had an extraordinary year in terms of raising the political profile of climate change both in the public opinion as well as on the global political agenda.
 
We have had several opportunities throughout the year to exchange views, among them the meeting of Heads of State and Government convened by the UN Secretary General, and the message has been consistent all across: the science is clear, it is time to act, we know what needs to be done and we all have a role to play.
 
Mr. President, as we celebrate the tenth anniversary of Kyoto, less than a month before the actual start of the first commitment period of the Kyoto Protocol, we welcome Australia as a new member to the developed country ratifiers’ family and note with satisfaction the significant progress made in setting up the institutions and the mechanisms to make Kyoto a success.
 
We are gathered here under your able guidance, Mr. President, to agree on the Bali Roadmap to guide negotiations on the post-2012 framework; to agree on the process to guide our global efforts to combat climate change taking into account the different role each of us has to play, based on the principle of common but differentiated responsibilities and on each Party’s responsibilities and respective capabilities.
 
It is not an option, Mr. President, I repeat, IT IS NOT AN OPTION, for us not to live up to the World’s expectation and to go back home without a successful agreement here.
 
Mr. President, the EU is gravely concerned with the findings of the Fourth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change, whose important work has been recognized by the award of the Nobel Peace Prize.
 
According to these findings, global greenhouse gas emissions due to human activities have increased about 70% between 1970 and 2004. For the first time, it is now possible to state that discernible human influences extend beyond average temperature to other aspects of climate, for instance to sea level rise, which is perhaps the most worrying large scale singularity caused by climate change.
Further to demonstrating that climate change is unequivocal, the Fourth Assessment Report also states that there is much evidence of substantial economic potential for mitigation of global greenhouse gas emissions over the coming decades that could offset the projected growth of global emissions or reduce emissions below current levels.
 
But our window of opportunity to act is closing rapidly and delaying action will increase the risks of dangerous climate change.
 
Mr. President, with a view to achieving the ultimate objective of the Convention, the EU has proposed that global mean surface temperature increase should not exceed 2° Celsius above pre-industrial levels in order to avoid global impacts and risks.
 
The Fourth Assessment Report strongly confirms the scientific basis for this objective. The EU Heads of State and Government have concluded that this will require the growth in global emissions to be halted within the next 10-15 years, followed by reductions of at least 50% below 1990 levels by 2050.
 
If we act now, the scientific findings of the Fourth Assessment Report demonstrate that our goal to limiting global average temperature increase to less than 2ºC is still within reach.
 
Mr. President, the EU is fully committed to keep leading the fight against global climate change. Our experience clearly demonstrates that transitioning to a low greenhouse-gas-emitting economy results into aggregate positive economic impacts. We must make sure that this objective is shared globally.
 
EU leaders have agreed an objective of a 30% reduction in greenhouse gas emissions by 2020 compared to 1990 levels as its contribution towards a global and comprehensive agreement for the period beyond 2012, provided that other developed countries commit themselves to comparable efforts and economically more advanced developing countries to contributing adequately according to their responsibilities and respective capabilities. Irrespective of the outcome of the negotiations on a global and comprehensive agreement, the EU will move to a 20% reduction by the same deadline.
 
Mr. President, in response to the very clear scientific evidence, it is now up to us all in Bali to give the signal to the world that we are taking the fight against climate change seriously by engaging in formal negotiations towards a global and comprehensive post-2012 agreement.
 
It should be clear from the outset that commitments by all Parties should take into account the principle of common but differentiated responsibilities and their specific national and regional development priorities, objectives and circumstances, including changes in these.
 
All developed countries need to collectively reduce their emissions in a range of 25-40% below 1990 levels by 2020 through a combination of domestic and international efforts.
 
Contributions by developing countries to the global effort to stabilizing greenhouse gases in the atmosphere should be enhanced and facilitated by positive incentives, including through the participation in a strengthened and broadened global carbon market, enhanced and additional crediting mechanisms, no-lose targets and sectoral approaches, sustainable policies and measures and enhanced technological cooperation.
 
Indeed, Mr. President, the EU is fully convinced of the urgency of enhancing international cooperation in order to rapidly accelerate the transfer of environmentally sound technologies and know-how. This is for us a key building block of our future agreement.
 
Scientific evidence is clear, Mr. President, that mitigation efforts, no matter how urgent and stringent, are no longer enough. Adaptation to the adverse impacts of climate change is of high priority to the European Union and must be recognized as a global challenge. The IPCC Fourth Assessment Report clearly indicates that the need to adapt is one that concerns all countries. It is our strong belief, therefore, that adaptation should be integrated into all relevant decision-making processes, including development cooperation at the same time as we acknowledge the need and are committed to contribute to the availability of future funding for adaptation.
 
We welcome the adoption of rules on the governance of the Adaptation Fund. This will put in place the first financial mechanism to support adaptation, as a contribution of the flexible mechanisms to the adaptation efforts of developing countries, and will constitute a marker in the development of international mechanisms for adaptation to climate change.
 
Mr. President, we have a lot of work to do in the next two and half days, but much more in the next two years, in order to reach a global and comprehensive post-2012 agreement in 2009.
 
In this regard, the Convention track of the Bali Roadmap work programme should firmly incorporate the conversion of the Dialogue into a process that allows for the further development of, and negotiations on, the ideas brought forward during the Dialogue.
 
As stressed on many occasions, the EU believes that the UNFCCC is the framework for tackling global climate change and we want to build on it and strengthen it. In this context, the EU has agreed to do more to mobilize the necessary finance in the most efficient and effective way as part of a global and comprehensive post-2012 framework.
 
Mr. President, I am delighted to announce that the EU stands ready to pledge funding support for the intensified negotiation schedule ahead of us.
 
Mr. President, the Bali Roadmap will take us all to Copenhagen via Poznan, on a journey of intensive discussions among us all. The EU is eager to engage in such discussions, to share our views on each of these building blocks and in particular also to hear other Parties’ views on their proposals regarding their respective contributions to our global efforts.
 
Thank you. 
publicado por bali às 07:57
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

PERDEU-SE PARTE DA CHAVE PARA O MANDATO DE BALI?

Francisco Ferreira (Quercus em Bali)

 

A Convenção das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas tem dois órgãos denominados de órgãos subsidiários a apoiam em determinadas matérias: o órgão subsidiário de implementação (SBI em inglês) e o órgão subsidiário de consulta científica e tecnológica (SBSTA em inglês). Enquanto a Convenção reúne uma vez por ano, os órgãos subsidiários habitualmente reúnem duas vezes por ano (uma em Maio e outra durante a primeira parte da reunião anual da Convenção antes do segmento de Alto Nível com a presença dos Ministros do Ambiente.
Ontem (ou já hoje) pelas duas da manhã, hora de Bali, os órgãos subsidiários terminaram os seus trabalhos e para as organizações não governamentais de ambiente incluindo a Quercus, a ausência de decisões na transferência de tecnologia poderá pôr em causa o envolvimento dos países em desenvolvimento na aprovação do processo e conteúdo do Mandato de Bali entre 2007 e 2009 que definirá a continuação de Quioto após-2012. Os textos e os discursos dos delegados em particular dos G77 e China e da União Europeia pretendiam abrir várias portas para este assunto. O que está em jogo na transferência de tecnologia é um pacote de novos mecanismos e financiamento inovadores de tecnologias, a cobertura de custos adicionais, parcerias público/privadas (tentando ultrapassar por exemplo questões de preservação da propriedade intelectual), indicadores de performance e cumprimento, discussão de outras oportunidades complementares fora da Convenção, e ainda fundos e ideias para dar mais protagonismo a esta área.
Infelizmente, o acordo nesta matéria não foi conseguido, sem quaisquer textos a passarem para o segmento de alto nível para decisão por parte dos Ministros, podendo o processo ao nível dos órgãos subsidiários ser apenas reaberto em Maio de 2008 na sua próxima reunião. A culpa foi em grande parte do chamado grupo “umbrella” como formalmente são identificados na Convenção o “chapéu-de-chuva” de países desenvolvidos fora da União Europeia, incluindo nomeadamente Estados Unidos, Canadá, Japão, Austrália, que consideraram que a única questão em jogo era mais dinheiro para os países em desenvolvimento e não algo mais estruturante e abrangente.
A transferência de tecnologia é uma condição crucial para que os países em desenvolvimento assegurem tendências de emissão de gases de efeito de estufa que assegurem a não ultrapassagem do aumento de 2 graus centígrados em relação à temperatura na era pré-industrial. Politicamente era uma exigência muito clara dos países em desenvolvimento, e só se os Ministros e os negociadores agora no segmento de alto nível voltarem a dar-lhe a devida importância, os três dias que restam da conferência têm claramente as suas conclusões ameaçadas em termos de processo e conteúdo.

No que respeita às questões de desflorestação o desenlace também não correu bem porque a decisão foi bloqueada pelos EUA. A denominada REDD – reducing emissions from deforestation and forest degradation – redução de emissões pela desflorestação e degradação da floresta - é uma questão importante já endereçada pela Convenção da Biodiversidade mas que ainda não teve o relevo merecido na Convenção das Alterações Climáticas. A ideia era precisamente avaliar e decidir sobre incentivos à preservação da floresta dos países em desenvolvimento, sendo esta uma componente a fazer parte dos trabalhos do Mandato de Bali. Este assunto estava contemplado no quadro do SBSTA e agora só poderá fazer parte de uma decisão no quadro das conclusões da Conferência.

publicado por bali às 06:32
link do post | comentar | favorito
|

DESATANDO O NÓ EM BALI

Ana Rita Antunes (Quercus em Bali)

 

A Quercus dá as boas-vindas aos ministros que hoje chegam a esta magnífica ilha. E apelamos para que não se deixem seduzir pelas lindas praias de areia branca. Há muito trabalho para fazer aqui e urgente.
 
Numa altura em que ainda há vários assuntos em fase de conclusão pelos negociadores de cada delegação, as mais importantes decisões ainda estão por tomar. Os negociadores esperam a linha estratégica política para poderem continuar as negociações. É necessária a presença dos ministros para conseguirmos os acordos necessários para o pós-2012.
 
As negociações do Mandato de Bali devem ter por base os melhores dados científicos disponíveis mais recentes. O Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC em inglês) afirma no seu último relatório que para evitar uma perigosa alteração climática, a redução de emissões de Gases de Efeito de Estufa (GEE) dos países desenvolvidos tem de ser entre 25 e 40% até 2020, com base nas emissões de 1990 e o pico de emissões globais tem de ser atingido nos próximos 10 a 15, seguindo-se o declínio de emissões.
 
A acção urgente que a ciência requer não conseguiu ser integrada na performance dos negociadores, pelo menos esta madrugada:
 
  1. Entre os países que ratificaram o Protocolo de Quioto, no denominado grupo de trabalho Ad-hoc, foi chegada a uma versão de discussão quase consensual, ontem no 10º aniversário do Protocolo. Também no quadro do Protocolo, as organizações não governamentais de ambiente (ONGAs) estão à espera de uma versão para discussão para uma segunda revisão do importante Artigo 9º (a primeira foi em Nairobi no ano passado e não o chegou propriamente a ser). Esperamos que os ministros estejam ansiosos para fechar estes dois documentos até sexta-feira.
 
  1. As importantes negociações no âmbito da Convenção que pretendem levar a um mandato formal numa visão de longo-prazo, estavam ontem à noite com problemas. Para ajudar, a intervenção do presidente da Conferência, em vez de ser útil e clarificadora ajudou a aumentar a confusão nas negociações que duraram para lá das duas da manhã.
 
  1. O maior fracasso até agora de Bali está a ser a discussão à volta da tecnologia, que estão paradas depois da sessão paralela dos denominados órgãos subsidiários onde o grupo “Umbrella” (incluindo os países desenvolvidos não europeus como os EUA, Canadá e Japão) bloqueou um acordo e propôs adiar o assunto para 2008.
 
Não é isto irónico? Precisamente os países que argumentaram durante anos que a discussão sobre as alterações climáticas não se devia centrar na obrigação de redução de emissões, mas sim na cooperação tecnológica estão agora a recusar qualquer consideração séria acerca de um pacote tecnológico para integrar os trabalhos pós-2012.
 
Agora é com os Ministros: agarrar o pacote tecnológico e conseguir arrancar com um plano tecnológico para um mundo futuro sem carbono. A oferta feita na passada sexta-feira pelos países em desenvolvimento (G77 e China) foi a expressão de um genuíno interesse no desenvolvimento de um plano de transferência de tecnologia como plataforma central do pacote político. Com toda a franqueza necessária nestes momentos, achamos que um Mandato de Bali sem a componente tecnológica será muito pouco atractivo para os países com economias emergentes.
 
O mundo está de olho e Bali. Nenhum de nós poderá suportar um falhanço.
publicado por bali às 06:20
link do post | comentar | favorito
|

.Dezembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds