logo da Quercus
Últimas notícias

.posts recentes

. DE VOLTA A PORTUGAL E ATÉ...

. MANDATO DE BALI - RESULTA...

. DE CEDÊNCIA EM CEDÊNCIA A...

. 5h00 Lisboa - A ssessão p...

. TRABALHOS INTERROMPIDOS E...

. NEGOCIAÇÕES PELA MADRUGAD...

. O MUNDO REQUER ACÇÃO

. CONFERÊNCIA DE BALI SEM A...

. AL GORE CRITICA EUA E APE...

. PORMENORES DE UMA CONFERÊ...

.Horas em Bali

Nusa Dua

.arquivos

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

Domingo, 2 de Dezembro de 2007

BRASIL NÃO QUER METAS

o embaixador Everton Vieira Vargas
 
“O Brasil é contra metas. Defendemos a adopção de objectivos mensuráveis, quantificáveis e verificáveis dentro do âmbito da Conferência (das Nações Unidas) para os países em desenvolvimento. Esperamos que em Bali se desenvolvam processos nesse sentido”, defendeu o principal negociador brasileiro na Conferência de Bali, o embaixador Everton Vieira Vargas.
 
O subsecretário-geral do Ministério das Relações Exteriores disse aos jornalistas, que a discussão sobre as mudanças climáticas é um dos principais temas da política externa brasileira porque o assunto "é uma questão estratégica para o Brasil".
 
Vargas reiterou a posição contrária do Brasil à adopção de metas de redução de emissão para países em desenvolvimento, em resposta ao relatório divulgado na semana passada (27 Novembro 2007) pelo PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento), que sugere a diminuição, até 2050, de cerca de 20% das emissões das nações em desenvolvimento e cortes de 80% no caso dos países ricos. Actualmente, apenas países desenvolvidos têm metas obrigatórias de redução, definidas no âmbito do Protocolo de Quioto.

Segundo o embaixador, o Brasil defende apenas a ampliação das metas de redução para os países desenvolvidos, além de maior comprometimento desses países com a transferência de tecnologia e recursos para travar o aquecimento global também nas nações em desenvolvimento. “Não podemos ter o mesmo tipo de compromisso que as nações industrializadas”, acrescentou.
 
Assim, a participação brasileira na Conferência das Partes da Convenção do Clima (COP-13), em Bali, na Indonésia, será marcada pelo incentivo à criação de um mecanismo internacional de financiamento de políticas públicas para redução de emissões de gases de efeito estufa nos países em desenvolvimento.

Segundo o embaixador, a expectativa brasileira é de que os mais de 180 países da Convenção fixem prazos para a negociação do segundo período de cumprimento do Protocolo de Quioto. “Esperamos também um mapa para a criação de um órgão negociador a fim de iniciar a discussão e a negociação de compromissos de adoção de políticas públicas para países em desenvolvimento que levem à redução de emissões mediante apoio financeiro e transferência de tecnologia”, especificou.
 
Como o Brasil negocia em bloco nas decisões da ONU, as sugestões brasileiras ainda precisam ser aprovadas pelo G-77, o grupo que reúne 133 países em desenvolvimento. “"Teremos de fazer um esforço para construir o consenso no G-77", avaliou Everton Vieira Vargas.
 
A delegação brasileira em Bali será chefiada pelos ministros das Relações Exteriores, Celso Amorim; da Ciência e Tecnologia, Sérgio Rezende; e do Meio Ambiente, Marina Silva.
tags: ,
publicado por bali às 23:55
link do post | comentar | favorito
|

.Dezembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds