logo da Quercus
Últimas notícias

.posts recentes

. DE VOLTA A PORTUGAL E ATÉ...

. MANDATO DE BALI - RESULTA...

. DE CEDÊNCIA EM CEDÊNCIA A...

. 5h00 Lisboa - A ssessão p...

. TRABALHOS INTERROMPIDOS E...

. NEGOCIAÇÕES PELA MADRUGAD...

. O MUNDO REQUER ACÇÃO

. CONFERÊNCIA DE BALI SEM A...

. AL GORE CRITICA EUA E APE...

. PORMENORES DE UMA CONFERÊ...

.Horas em Bali

Nusa Dua

.arquivos

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

Sexta-feira, 7 de Dezembro de 2007

CHINA NÃO QUER METAS OBRIGATÓRIAS

 
A China mantém-se firme na recusa em adoptar metas quantitativas na redução de emissões de GEE (Gases de Efeito Estufa).
 
O porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Qin Gang, disse em Pequim que "não devemos abandonar o princípio das responsabilidades comuns mas
diferenciadas", o principio que está subjacente ao protocolo de Quioto e que exclui a China da lista de países com metas a cumprir.
 
É nesse sentido que os responsáveis chineses continuam a afirmar que "os membros da comunidade internacional devem combater as alterações climáticas com base nos seus níveis de desenvolvimento", sublinhou Qin Gang.
 
A China e outros grandes países em vias de desenvolvimento como a índia e o Brasil, enfrentam em Bali a pressão, para aceitarem metas quantitativas obrigatórias de redução de emissões de GEE. 
 
ARGUMENTOS
     
Pequim recusa metas obrigatórias e argumenta que, em termos históricos, foram os países industrializados que causaram a maioria das emissões de GEE para a atmosfera, desde a revolução industrial no século XIX. 
 
 
O segundo argumento chinês contra as metas quantitativas para os países em vias de desenvolvimento refere-se às emissões "per capita".
 
Apesar de em termos absolutos a China já ter ultrapassado os Estados Unidos como maior emissor mundial de GEE, as emissões chinesas "per capita" são ainda reduzidas em comparação com os países desenvolvidos.
 
Pequim afirma que a diferença prova que a imposição de metas quantitativas tornará mais difícil o desenvolvimento económico chinês com a consequente retirada de milhões de pessoas da pobreza.
 
Apesar desta atitude negocial, a China reconhece o papel das Nações Unidas e do protocolo de Quioto para a descoberta de uma solução comum para o combate às alterações climáticas, disse Qin Gang.
 
"Nas circunstâncias actuais, não devemos sair do quadro da Convençäo-Quadro
das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas e do Protocolo de Quioto", concluiu o porta-voz diplomático chinês.
tags: , ,
publicado por bali às 23:26
link do post | comentar | favorito
|

.Dezembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds