logo da Quercus
Últimas notícias

.posts recentes

. AL GORE CRITICA EUA E APE...

.Horas em Bali

Nusa Dua

.arquivos

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

Quinta-feira, 13 de Dezembro de 2007

AL GORE CRITICA EUA E APELA A VONTADE POLÍTICA PARA MANDATO DE BALI

Francisco Ferreira e Ana Rita Antunes (na conferência de Al Gore, em Bali)

 

19.40h em Bali – Centro de Conferências com uma das salas maiores completamente lotada e muitas centenas de pessoas a verem a intervenção pelos televisores em circuito fechado.
Al Gore desta vez não fez a sua apresentação habitual da “crise climática” com os habituais diapositivos a acompanhar. Foi um discurso improvisado onde o Presidente do Painel Intergovernamental das Alterações Climáticas, que em nome do Painel também recebeu o Prémio Nobel há três dias, também esteve presente.
Al Gore começou por mencionar que a realidade climática está a avançar mais depressa ainda do que a ciência vai prevendo, sendo que a passagem durante o Verão pelo Pólo Norte em termos de navegação pode já acontecer dentro de 5 a 7 anos. Falou do que está a acontecer em termos de alterações climática à volta do mundo, dizendo que o planeta “está com febre”. Mencionou a falta de acção da maioria dos políticos à escala global. Mencionou estar a falar como pai, avô, cidadão. Mas o mais importante foi sem dúvida o comentário político dizendo que o seu país era o principal responsável por obstruir as negociações em Bali (recebendo um enorme aplauso), apesar de não ser o único...
Disse que de Bali pode sair uma folha branca com uma nota de pé de página que tem de dizer que a folha tem de estar escrita até 2009. “Daqui a uns anos os EUA estarão onde não estão agora”. Mas apelou para não se olhar para os EUA apenas para a administração, mas para o Congresso, para o Senado, para alguns Estados e para muitos municípios. “Daqui a 1 ano e 40 dias haverá eleições”. As posições de quem vencer podem ser ligeiramente diferentes mas serão sempre outras que as da actual administração. Mencionou o fundo de adaptação e a transferência de tecnologia como prioridades; do evitar da desflorestação. No que respeita às metas de redução, apelou a uma antecipação em dois anos para entrada em vigor das novas regras a definir até Copenhaga em 2010 e não a partir de 2012.`
Al Gore considerou que de Bali tem de sair um forte mandato e mencionou o exemplo da mudança de Governo na Austrália e a adesão do país ao Protocolo de Quioto recentemente anunciada (fortes aplausos).
Numa sala com muitos americanos, apelou ao facto das alterações climáticas serem uma “questão moral” e deu o exemplo habitualmente presente nas suas conferências e também no seu filme “Uma Verdade Inconveniente” e que foi o desafio do Plano Marshall. Mais que uma questão política é uma questão moral e humanitária de salvaguarda do planeta que diz respeito a todos. É preciso que os países desenvolvidos recorram a capacidade de agir que habitualmente é mencionada para os países em desenvolvimento.
Al Gore considerou que o futuro após a Conferência de Bali é difícil – não há caminho de Bali a Copenhaga a não ser que o construamos, mas as próximas gerações exigem-no. Mais uma vez repetiu a mensagem principal – é preciso vontade política e essa é um recurso renovável. (20.30h, hora de Bali, 12.30h em Portugal)
publicado por bali às 12:18
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.Dezembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds